DESTAQUE nº 55 - JAN 2017
DESTAQUE nº 56 - MAI 2017
DESTAQUE Nº 57 - SET 2017
DESTAQUE Nº 58 - JAN 2018
Sistemas de Canalização
Especificações e Gamas
 
Classificação e requisitos
Normas aplicáveis
RIA-TC
Redes Húmidas
Sprinklers - Norma Europeia
Conformidades obrigatórias
Redes de Gás
Redes Prediais
Redes de Ar Comprimido
Certificação
Tubos de aço
Acessórios de Tubagens
Roscas de Tubagens
Válvulas Ranhuradas
Válvulas Industriais
Processos de ligação
Fichas técnicas - Sistemas
Instalação - Orientações
Documentação APTA
Cálculo Hidráulico
Jornadas técnicas
Documentos de Inspecção
Notícias
FAQS
Quem Somos
Actividades
Empresas Associadas
Estatísticas
contactos
Links
PESQUISA
LOGIN

Recuperar senhaRegisto
Newsletter
Redes de Incêndio

Principal regulamentação aplicável:

1. Decreto-Lei n.º 220/2008 de 12 Nov. alterado pelo n.º 224/2015 de 9 Out.: Aprova o regime jurídico de segurança contra incêndio em edifícios.

2. Portaria n.º 1532/2008 de 29 Dez.: Regulamento técnico de segurança contra incêndio em edifícios.

3. Portaria n.º 64/2009 de 22 Jan.: Estabelece o regime de credenciação de entidades para a emissão de pareceres, realização de vistorias e de inspecções das condições de segurança contra incêndio em edifícios.

4. Portaria n.º 610/2009 de 8 Jun.: Regulamenta o funcionamento do sistema informático previsto no n.º 2 do artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro.

5. Portaria n.º 773/2009 de 21 Jul.: Define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exerçam a actividade de comercialização, instalação e ou manutenção de produtos e equipamentos de segurança contra incêndio em edifícios.

6. Despacho n.º 2074/2009: Critérios técnicos para determinação da densidade de carga de incêndio modificada.

7. Portaria n.º 1054/2009 de 16 Set.: Fixa o valor das taxas pelos serviços prestados pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), no âmbito do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro.

Algumas definições importantes estabelecidas pela Portaria n.º 1532/2008:

Utilização-tipo (UT): Classificação do uso dominante de qualquer edifício ou recinto, incluindo os estacionamentos, os diversos tipos de estabelecimentos que recebem público, os industriais, oficinas e armazéns, em conformidade com o disposto no artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro.

Categorias de risco: Classificação em quatro níveis de risco de incêndio de qualquer utilizações-tipo de um edifício e recinto, atendendo a diversos factores de risco, como a sua altura, o efectivo, o efectivo em locais de risco, a carga de incêndio e a existência de pisos abaixo do plano de referência.

Plano de referência: O plano de nível, à cota de pavimento do acesso destinado às viaturas de socorro, medida na perpendicular a um vão de saída directa para o exterior do edifício.

Altura de um edifício: Diferença de cota entre o piso mais desfavorável susceptível de ocupação e o plano de referência [ver Figua abaixo]. Quando o último piso coberto for exclusiva-mente destinado a instalações e equipamentos que apenas impliquem a presença de pessoas para fins de manutenção e reparação, tal piso não entra no cômputo da altura do edifício. O mesmo sucede se o piso for destinado a arrecadações cuja utilização implique apenas visitas episódicas de pessoas. Se os dois últimos pisos forem ocupados por habitações duplex, poderá consi-derar-se o seu piso inferior como o mais desfavorável, desde que o percurso máximo de evacuação nessas habitações seja inferior a 10 m. Aos edifícios constituídos por corpos de alturas diferentes são aplicáveis as disposições correspondentes ao corpo de maior altura, exceptuando-se os casos em que os corpos de menor altura forem independentes dos restantes. Os edifícios classificam-se consoante a sua altura conforme o Quadro 1.

 

 

Efectivo: O número máximo estimado de pessoas que pode ocupar em simultâneo um dado espaço de um edifício ou recinto.

Boca de incêndio armada: Hidrante que dispõe de uma mangueira munida de agulheta, com suporte adequado e válvula interruptora para a alimentação de água, inserido numa instalação hidráulica para serviço de incêndios privativa de um edifício ou de um estabelecimento.

Carretel de incêndio armado ou boca de incêndio tipo carretel: Boca de incêndio armada cuja mangueira é semi-rígida e está enrolada num suporte tipo carretel. Deve estar em conformidade com a NP EN 671-1. Trata-se de um meio de primeira intervenção em caso de incêndio.

Rede de incêndio armada: Rede de água, exclusivamente destinada ao combate a incêndios, mantida permanentemente em carga e dotada de bocas de incêndio armadas.

 

 
© APTA 2018
Política de Privacidade | Termos e Condições | Adicionar aos Favoritos
Máquina Digital