PRÓXIMO TEMA JAN 2019 (Nº 60)
DESTAQUE Nº 59 - JUL 2018
DESTAQUE Nº 58 - JAN 2018
DESTAQUE Nº 57 - SET 2017
DESTAQUE nº 56 - MAI 2017
DESTAQUE nº 55 - JAN 2017
Sistemas de Canalização
Especificações e Gamas
Aplicações
Certificação
Tubos de aço
Acessórios de Tubagens
Roscas de Tubagens
Válvulas Ranhuradas
Válvulas Industriais
Fichas técnicas - Sistemas
Processos de ligação
Instalação - Orientações
Documentação APTA
 
RI Algoritmo
RI Especificações
RI Procedimento
RI Exemplos
RI-Sprinklers Algoritmo
RI-Sprinklers Especificações
RI-Sprinklers Procedimento
RI-Sprinklers Exemplos
Gás Algoritmo
Gás Especificações
Gás Procedimento
Gás Exemplos
Águas Algoritmo
Águas Especificações
Águas Exemplos
Jornadas técnicas
Documentos de Inspecção
Notícias
FAQS
Quem Somos
Actividades
Estatísticas
Empresas Associadas
contactos
Links
PESQUISA
LOGIN

Recuperar senhaRegisto
Newsletter
Águas Procedimento
Fases   Descrição da fase N.º Característica Simbologia Unidades
             
0   Organizar Desenho da Instalação: 0.2 Codificação da instalação. Ex. A, B, C, etc.  
  Codificar ou numerar sequêncialmente, a partir da Fonte de Alimentação do edifício inclusivé, todos os Nós e Dispositivos da instalação.  
    0.1 N.º de troços de uma instalação N
    (Deste modo definem-se os diversos "N" troços de tubagem a dimensionar)        
           
           
1   Dados de Entrada:         
    Decidir qual a fórmula de dimensionamento a utilizar para a determinação das perdas de carga unitárias 1,1 Fórmulas possíveis: 1. Flamant, 2. Hazen & Williams, 3. Darcy & Weisbach ou 4. Fair & Whipple & Hsiao.
    Fixar o factor de rugosidade aplicável a tubagens em aço para condução de água fria. 1.2 Factor de Rugosidade C, b ou f f (mm)
    Fixar a Pressão de Abastecimento mínima. 1.3 Pressão de abastecimento mínima Pmín.A. kPa
    Fixar a pressão mínima à entrada de cada dispositvo. 1.4 Pressão mínima nos dispositivos Pmín.D. kPa
    Fixar a % de afectação das perdas de carga locais. 1.5 % de afectação das perdas carga localizadas J% %
    Fixar a velocidade de escoamento admissível. 1.6 Velocidade admissível Vadm. m/s
    Fixar o nível de conforto: Baixo (B), Médio (M) ou Elevado (E). 1.7 Nível de conforto B, M ou E  
    Fixar caso de unidade hoteleira ou utilização de simultaneidade total (100 %) 1.8 Incremento dos caudais de cálculo   %
    Definir quais e quantos dispositivos estão envolvidos e respectivos caudais intantâneos. 1.9 Caudal instantâneo do dispositivo Qdispositivo l/s
2   Introduzir a codificação dos diferentes troços estabelecida no desenho da instalação (Fase 0), definindo automaticamente os diversos "N" troços de tubagem, em consequência dessa mesma codificação. Seleccionar a dimensão e caudal instantâneo dos dispositivos utilizados. Ou consultar valores específicos para o caudal, especificados pelos fabricantes dos dispositivos.        
  0.1 N.º de troços de uma instalação N
   
           
           
    Imputar a cada troço em análise o número total de Tipologias ou Dispositivos  abastecidos, na(s) coluna(s) correspondente(s) à(s) Tipologia(s) ou Dispositivo(s) utilizado(s). 2.1 Nº de Tipologias ou Dispositivos abastecidos  
3   Imputar a cada troço da instalação o respectivo comprimento e desnível. Por opção, adicionar ao comprimento do troço de tubo em análise, as perdas de carga referentes aos acessórios utilizados, por consulta do Quadro 2. 3.1 Comprimento do troço Lreal m
    3.2 Desnível do troço h m
    3.3 Comprimento equivalente local Leq.local m
    Determinar o comprimento equivalente de cada troço: 3.4 Comprimento equivalente do troço Leq m
4   Determinar para cada troço o correspondente Caudal Acumulado. 4.1 Caudal Acumulado Qacumul. l/s
    Determinar para cada troço o correspondente factor de Simultaneidade, caso o número de dispositivos alimentados seja igual ou superior a dois. 4.2 Factor de Simultaneidade S  
    Determinar para cada troço o correspondente caudal de cálculo. 4.3 Caudal de cálculo Qtroço l/s
5   Impor, se necessário, um diâmetro interior mínimo para uma instalação tipo , diferente do a seguir proposto. 5.1 Diâmetro interior imposto Diimposto mm
    Impor o diâmetro interior mínimo requerido. 5.2 Diâmetro interior normalizado do tubo de aço Di mm
    Determinar, para cada troço, o correspondente diâmetro enterior normalizado da tubagem de aço com costura, em conformidade com a norma europeia EN 10255 (Série Média) ou equivalente. 5.3 Diâmetro Exterior D mm
6   Começando-se pelo entrada da alimentação, atribui-se à mesma a pressão mínima de alimentação fixada, passando a corresponder à Pressão Inicial (Pi) nesse ponto. No correspondente troço, calcular sequêncialmente (do inicío para o fim), as respectivas Pressão Final (Pf), através da fórmula de Hazen & Williams (Flamant ou outra) e Pressão Final Corrigida (Pfc) considerando  a perda de carga devida à altura. 6.1 Pressão Inicial no troço Pi kPa
    6.2 Pressão Final no troço Pf kPa
    Percorrer a instalação considerada para cálculo das pressões instaladas em cada troço, do início para o fim, com base no seguinte raciocínio:  6.3 Pressão Final Corrigida no troço Pfc kPa
    a) A Pressão Inicial (Pi) de um qualquer troço, deverá ser a Pressão Final Corrigida (Pfc) de um troço situado imediatamente a montante.        
    b) A Pressão Final Corrigida (Pfc) de um qualquer troço, deverá ser a Pressão Inicial(Pi)do(s) troço(s) situado(s) imediatamente a jusante.         
7   Calcular a perda de carga unitária ( J ) de cada troço: 7,1 Perda de carga unitária J kPa/m
    Calcular a perda de carga dinâmica ( ΔP ) de cada troço: 7.2 Perda de carga dinâmica no troço ΔP kPa
    Calcular a perda de carga total ( ΔPc) de cada troço: 7.3 Perda de carga total no troço ΔPc kPa
    Calcular a perda de carga acumulada (ΔPacum.) no final de cada troço: 7.4 Perda de carga acumulada no troço ΔPacum. kPa
    Calcular a perda de carga acumulada admissível (ΔPadm.): 7.5 Perda de carga admissível ΔPadm. kPa
8   Calcular a velocidade de escoamento em cada troço: 8.1 Velocidade de escoamento no troço m/s
9   Calcular a pressão mínima a jusante ( Pmín. J.): 9.1 Pressão mínima a jusante Pmín. J. kPa
             
10   Verificar se a perda de carga acumulada em cada troço (ΔPacum.) é inferior à admissível (ΔPadm.) e se a velocidade de escoamento em cada troço (V) é inferior à admissível (Vadm.), com um mínimo de 0,5 m/s. Se tal não suceder, subir um escalão no valor do diâmetro interior normalizado desse troço e regressar à fase 8 do presente procedimento.

 

 

 
© APTA 2018
Política de Privacidade | Termos e Condições | Adicionar aos Favoritos
Máquina Digital